biosseguranca-em-odontologia--12-8-2014-11-47-38-335
Microbiologia – Um mundo invisível – Parte 2 (Biossegurança)
março 29, 2017
depilacao45
Biossegurança na Depilação
agosto 26, 2017
Exibir tudo

Biossegurança na Estética

flip-boxes3

Olá pessoal,

aqui estou para nosso primeiro tema da Série Beleza com Segurança, que é Biossegurança na Estética.

Falar de estética para mim é sempre muito bom e pensar na segurança e bem estar do profissional e do cliente, é melhor ainda.

Sempre partimos do princípio que trabalhamos apenas atendendo pessoas saudáveis, no entanto, nunca sabemos se a pessoa tem alguma doença (as vezes nem ela mesmo saiba) ou se nós mesmos temos alguma coisa que possa ser transmitido. Então, lá vão alguns cuidados básicos que devem ser observados.

Para começar, vamos falar dos cuidados para evitar a contaminação em produtos para prevenir a contaminação cruzada. Para isso, tenho uma “máxima” que é:

“Tudo que entra em contato com a pele do cliente nunca deve voltar para embalagem do produto”. 

Ou seja, se levamos uma espátula com produto diretamente na pele do cliente, não voltaremos com ela para a embalagem, sempre teremos uma cubeta de apoio para separar somente a quantidade que será utilizada para cada procedimento.

Antes de iniciar o procedimento, com a bancada organizada, mãos e materiais limpos,  vamos separar os produtos com o auxílio de uma espátula e colocar em uma cubeta e fechar a embalagem original.

Embalagens do tipo bisnagas ou  “pump” são mais seguras em relação a contaminação, mas também precisam ser limpas após cada atendimento (com cuidado para não apagar validade e número de lote impressos).

Outros pontos importantes:

  • Paramentação – Atualmente dispomos de modelos lindos e modernos de uniformes e  jalecos para uso do dia a dia de trabalho, mas além da beleza, não podemos esquecer da sua principal função que é a proteção. Isso seve para proteger nossas roupas durante o trabalho e também evitar trazer para dentro da cabine ou consultório, microorganismos provenientes das rua. Por isso é importante usá-los apenas dentro do espaço de trabalho e quando for sair, trocar de roupa ou tirar o jaleco.
    •  As vestimenta sempre devem estar limpas, passadas, ser discretas e sem uso de decotes e confortáveis. Os sapatos também devem ser confortáveis e com solado emborrachado (preferencialmente)  que não faça ruído enquanto o cliente está deitado e relaxando na maca durante o procedimento.
    • Os Equipamentos de Proteção Individual (EPI´s ) que são imprescindíveis são:
      • Máscara bucal fechada
      • Touca (caso o cabelo não possa ser totalmente preso)
      • Jaleco ou uniforme (preferencialmente de cor clara)
      • Luvas descartáveis para cada procedimento que se faça necessário
      • Óculos de proteção (em especial para procedimentos de Limpeza de Pele)
        • OBS. Lembrando que materiais descartáveis NUNCA devem ser reutilizados. (parece óbvio, não é?  mas não custa nada reforçar)
  • Antissepsia das mãos: O procedimento de lavagem das mãos é uma técnica simples e que, desde que bem realizada e na frequência correta, minimiza e muito os riscos de contaminação direta e cruzada. Pelo menos antes e após cada atendimento deve ser realizada cuidadosamente.
  • Antissepsia da pele do cliente de forma criteriosa: A antissepsia cuidadosa da pele dos clientes antes de qualquer procedimento parece ser algo óbvio também, no entanto, muito profissionais não investem tempo nesta etapa preparando-a para receber o que há de mais moderno e tecnológicos recursos para tratamentos estéticos, além de que com esta etapa bem feita removemos a flora transitória da pele (mais patogênica) evitando possíveis contaminações.
  • Retirar produtos das embalagens e nunca devolver: Após separar a quantidade de produto para ser utilizada durante um procedimento, as obras (se houver) nunca devem voltar para a embalagem original. O ideal é separar somente a quantidade ideal para o procedimento e na dúvida, separar uma porção menor e, se necessário, separar um pouco mais. Isso evita desperdício e possíveis contaminações.
  • Assepsia de equipamentos, eletrodos e acessórios: Todos os materiais e acessórios, bem como todo espaço de atendimento, devem seguir uma rotina de procedimentos de limpeza a cada uso. A forma de limpeza e desinfecção deve ser realizada de acordo com o fabricante para evitar danos e prolongar a vida útil dos materiais.
  • Uso de agulhas: O uso de agulhas descartáveis para extração de millium, por exemplo, requer cuidados especiais no manejo, visto que precisa ser apoiada em uma bandeja de inox ou lugar onde não haja o risco de perfuração, tampouco pode ser revestida novamente após seu uso.  Ela sempre deve ser descartada em caixa específica para este fim e recolhida junto com lixo infectante.
  • Gerenciamento de Resíduos – Lixo Comum e Lixo Infectante (Infectante e Perfurocortante): tão importante quanto a separação dos lixos comuns dos infectantes dentro de um espaço de estética, é o armazenamento e a coleta feita de forma correta pelo profissionais. Entre em contato com a empresa que faz a coleta de resíduos hospitalares em sua cidade peça todas as informações para se inscrever e receber a coleta periodicamente.

Ufa… são muitas coisas, mas acredito que por aqui já podemos começar nossa organização e cuidados com a nossa saúde, de nossos colaboradores e clientes.

Um forte abraço e até o próximo artigo da série.

😉

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *