Microbiologia – Um mundo invisível – Parte 1

shutterstock_60349396
Biossegurança é coisa séria!
fevereiro 3, 2017
biosseguranca-em-odontologia--12-8-2014-11-47-38-335
Microbiologia – Um mundo invisível – Parte 2 (Biossegurança)
março 29, 2017
Exibir tudo

Microbiologia – Um mundo invisível – Parte 1

Microbiologia

Olá pessoal,

para começar nossa Série Beleza com Segurança vamos falar sobre um tema fundamental para compreender a importância dos cuidados de biossegurança no nosso dia a dia. A microbiologia.

Talvez, este não seja o tema mais atraente para um profissional da beleza, no entanto, te desafio a estudar e se aprofundar, porque, seguramente, será fundamental para a compreensão mais clara e ampla para os temas específicos de biossegurança em cada área da beleza que vamos falar nos próximos artigos.

A Microbiologia é o estudo dos microorganismos, que são seres microscópicos (vírus, bactérias, protozoários, fungos) que dentre suas funções vitais, estão a decomposição e reciclagem orgânica.

Estes microorganismos, estabelecem uma relação com seu hospedeiro (onde se hospeda) chamada de Simbiose. Existem três classificações para a simbiose, são elas o comensalismo, mutualismo e parasitismo.

O comensalismo se caracteriza por uma relação harmônica entre espécies ondcomensalismoe não há prejuízo para nenhuma das partes. Um exemplo é a rêmora que se agarra ao corpo do tubarão por uma nadadeira dorsal transformada em uma espécie de ventosa. Assim, a rêmora é transportada pelo tubarão enquanto alimenta-se dos restos de sua alimentação. Esse processo não prejudica nenhuma das partes.

mutualismookO mutualismo é o tipo de comensalismo onde duas espécies se beneficiam. Um exemplo são as bactérias que fazem parte do nosso corpo e participam de processos biológicos vitais como absorção e digestão de nutrientes, produção de vitaminas e ácidos graxos, inativação de toxinas e regulação do sistema imunológico, entre outros.

Já o parasitismo acontece quando uma única espécie se beneficia trazendo prejuízos ao hospedeiro, como os mosquitos ou vírus da raiva, por exemplo.parasitismo

 

As Bactérias:

Segundo Salvatierra (2014),  as bactérias são seres que atuam como decompositoras e as suas espécies são classificadas e diferenciadas de acordo com sua morfologia e composição química, suas necessidades nutricionais, suas atividades bioquímicas e sua fonte de energia. As bactérias são seres vivos que se desenvolvem em temperaturas ideais para os seres humanos. Muitas delas são capazes de crescer em temperaturas extremas. 

A maioria das bactérias crescem melhor dentro de variações pequenas de pH sempre perto da neutralidade (entre pH 6,5 e 7,5). Poucas bactérias são capazes de crescer em pH ácido (como pH 4,0). O pH 7,0 é o mais adequado para absorção dos nutrientes e o mais recomendado no cultivo de bactérias.

Os Fungos:

Os fungos são seres vivos presentes na natureza que auxiliam as bactérias heterotróficas (decompositoras) na reciclagem dos elementos químicos que constituem a matéria orgânica. Além de serem importantes como decompositores nas indústrias de bebidas e alimentícias, algumas espécies de fungos são utilizadas por indústrias farmacêuticas na produção de antibióticos como a penicilina, descoberta por Alexander Fleming em 1929 e amplamente utilizada nos dias de hoje no tratamento de muitas infecções bacterianas.  (Salvatierra, 2014)

Os vírus:

Os vírus são agentes infecciosos que não apresentam uma organização tão complexa quanto à de células, eles não são cultivados em meios artificiais, como as bactérias e os fungos, em razão da grande exigência em seu processo de reprodução. Necessitam obrigatoriamente de uma célula viva utilizando a maquinaria celular, sendo assim um exemplo de parasitismo. (Salvatierra, 2014)

São causadores de doenças em humanos, animais e plantas. Em humanos, causam uma série de infecções benignas como gripes, verrugas, hepatites e doenças mais severas como poliomielite, câncer e AIDS. Entretanto, é bom salientar que, além de causarem problemas aos seres humanos, os vírus têm sido ferramentas fundamentais em pesquisas científicas. (Burton, 2012)

Os Protozoários:

Os protozoários são parasitas causadores de doenças no homem e animais, e na maioria das vezes dependem de um hospedeiro para sua sobrevivência e reprodução.
Sendo assim, alguns protozoários produzem esporos que são importantes na sua disseminação no ambiente.

Os Esporos:

É uma célula envolvida por uma parede celular resistente para proteção quando existe uma condição de risco, mantendo-a latente até que as condições sejam favoráveis e ela volte a sua atividade normal.

Em geral, são muito resistentes, podendo resistir até mesmo a desinfecções de alto nível.

A Pele:

A microbiota normal refere-se a uma população de microrganismos que habitam diversas regiões do nosso organismo. Após o nascimento, o simples contato com a mãe propicia que a microbiota materna seja repassada para a criança. As mucosas da boca e da faringe inicialmente são estéreis e, a partir do momento em que ocorre a primeira amamentação, haverá a introdução de bactérias nessas regiões. (Burton, 2012)

Segundo Tortora (2000), a microbiota não é encontrada no sangue pelo fato de ser um fluido totalmente estéril. A presença de bactérias nesse fluido biológico pode promover infecções graves denominadas septicemias. Além disso, todos os demais líquidos cavitários são estéreis, ou seja, livres da presença de microbiotas. 

Microbiotas da pele:

Microbiotapele

A pele é o maior órgão do corpo humano. Ela, juntamente com mucosas são colonizadas por microorganismos que são indispensáveis para o acontecimento normal de processos biológicos. São povoados por microoganismos residentes e transitórios.

A flora residente vive e se multiplica napele, podendo persistir por longo período. Esses microorganismos diferem-se tanto qualitativa, quanto quantitativamente, dependendo do local de alojamento no corpo e da população bacteriana existente. As bactérias mais encontradas são as gram-positivas. Nas mãos, essas e outras bactérias localizam-se em maior quantidade sob as unhas e em torno delas.

A flora transitória como o nome sugere é passageira e os microorganismos que a constituem sobrevivem apenas por curto período; suas bactérias são mais fáceis de serem removidas, pois se encontram na superfície da pele. Contudo é composta por microorganismos mais freqüentemente
responsáveis pela infecção, que são as gram-negativas e os estafilococos, o que bem demonstra a
importância das mãos como veículo de transmissão. Embora na pele das mãos existam bactérias
com variados graus de patogenicidade, em situação normal elas não causam infecção, tendo em
vista existir uma barreira fisiológica protetora. Na ocorrência da perda de continuidade da pele,
pode haver a instalação de um processo infeccioso. É o simples o ato de lavar as mãos com água e
sabão, visando a remoção de bactérias transitórias e algumas residentes, como também de células descamativas, pelos,  suores, sujidades e oleosidades da pele.

Regiões quentes e úmidas (axilas e virilhas) tende a acumular uma maior quantidade devido a presença nutrientes provenientes de secreção sebácea e células mortas. Quando existe uma proliferação exacerbada de bactérias Gram-positivas, como Staphylococcus aureus, pode originar uma infecção do folículo piloso denominada foliculite e outras doenças como infecções cirúrgicas, escarlatina, furúnculos, impetigo e síndrome da pele escaldada.

Esta bactéria está presente na pele de todas as pessoas e, em condições normais, não leva a nenhuma patologia, no entanto, quando a pele se encontra escoriada ou em situações adversas e pode desenvolver algumas doenças.

Os Staphylococcus spp. , além de serem encontrados na pele, também estão no intestino e no trato urinário. 

Outro exemplo de bactéria que faz parte da microbiota normal da pele, é a Propinibacterium acnes, que é uma das responsáveis para o surgimento da Acne.

Flora Residente: 

Nas mãos, estes germes localizam-se em maior quantidade em torno e sob as unhas e entre os dedos. Também são encontradas nas camadas externas da pele, fendas e folículos pilosos. Por isso, a importância de manter as unhas curtas e evitar o uso de anéis. Os microrganismos da flora  residente não são facilmente removíveis, entretanto são inativados por antissépticos (álcool, clorexidina, iodóforos). As bactérias mais comumente encontradas são as Gram-positivas (Staphylococcus aureus, Staphylococcus epidermidis, Estreptococos sp). A flora residente é de baixa virulência e raramente causa infecção, contudo pode ocasionar infecções sistêmicas em pacientes imunodeprimidos e após procedimentos invasivos.

Flora Transitória:

É adquirida no contato com pacientes e superfícies contaminadas. Os microrganismos que a compõem permanecem na pele por um certo período podendo ser transferidos ou eliminados com a lavagem das mãos. Suas bactérias são mais fáceis de serem removidas, pois se encontram na superfície da pele, junto à gorduras e sujidades. Esta flora bacteriana é eliminada com água e
sabão neutro. A flora transitória das mãos é composta pelos microrganismos freqüentemente responsáveis pelas infecções hospitalares: as bactérias Gram-negativas (Pseudomonas sp, Acinetobacter sp, Klebsiella sp), o que bem demonstra a importância das mãos como veículo de
transmissão.

DOENÇAS INFECCIOSAS DA PELE

Para BURTON (2012), a pele intacta constitui um tipo de mecanismo inespecífico de defesa, servindo como barreira física, sendo a primeira linha de defesa do corpo. Poucos patógenos podem atravessar a pele íntegra. A flora endógena da pele, o baixo pH (entre 4,6 – 5,8), e a presença de substâncias químicas como a lisozima e o sebo também servem para impedir a colonização da pele pelos patógenos (causadores de doenças). Todavia, podem ocorrer infecções cutâneas.

ALGUMAS DOENÇAS INFECCIOSAS

herpes  conjuntivite  foliculite

  • Herpes. Causado por um vírus chamado herpes simples.
  • Impetigo. Causada por Staphylococcus ou por Streptococcus, que se caracteriza pela formação de pequenas vesículas cheias de pus (pústulas).
  • Escabiose: conhecida como sarna é causada por um ácaro chamado sarcoptes scabiei que contamina a pele causando coceira intensa e é contagiosa
  • Foliculite. Inflamação de um folículo piloso. Exitem diversos tipos de foliculite, uma deles é causada pelo Staphylococcus aureus.
  • Furúnculo. Infecção piogênica (produtora de pus) localizada da pele, geralmente resultante de foliculite.
  • Carbúnculo. Infecção piogênica profunda da pele, geralmente surgindo da coalescência de furúnculos.
  • Tinha. Uma infecção micótica da pele provocada por diversos fungos e que geralmente se classifica conforme a sua localização no corpo.
  • Pitiríase versicolor. Uma infecção fúngica que provoca sobre a pele placas de uma cor que vai do branco ao pardacento.
  • Molusco contagioso.  Uma infecção da pele causada por um poxvírus que forma protuberâncias lisas, céreas e cor de carne. O vírus que provoca o Molluscum é contagioso: é transmitido por contato direto com a pele e, muitas vezes, a transmissão é por via sexual.
  • Conjuntivite. A conjuntivite é uma inflamação da conjuntiva, geralmente causada por vírus, por bactérias ou por uma alergia.
  • Hepatites.  É toda e qualquer inflamação do fígado e que pode resultar desde uma simples alteração laboratorial (portador crônico que descobre por acaso a sorologia positiva), até doença fulminante e fatal (mais frequente nas formas agudas). Existem várias causas de hepatite, sendo as mais conhecidas as causadas por vírus (vírus das hepatite A, B, C, D, E, F, G, citomegalovírus, etc). Outras causas: drogas (anti-inflamatórios, anti-convulsivantes, sulfas, derivados imidazólicos, hormônios tireoidianos, anti-concepcionais, etc), distúrbios metabólicos (doença de Wilson, poli-transfundidos, hemossiderose, hiemocromatose, etc), trans-infecciosa, pós-choque. Em comum, todas as hepatites têm algum grau de destruição das células hepáticas. (Wikipedia, 2016)
  • HIV. Uma doença do sistema imunológico humano causada pelo vírus da imunodeficiência humana.
  • Gripes. Gripe é uma doença infecciosa provocada por diversos vírus ARN da família Orthomyxoviridae e que afeta aves e mamíferos.
  • Queratite. Infecção ou inflamação da córnea – abóboda que reveste a íris e as lentes.
  • Ceratoconjuntivite. Infecção que envolve tanto a córnea quanto a conjuntiva.

 

VIAS DE TRANSMISSÃO

As doenças podem ser transmitidas de duas formas:

  • Direta: Quando existe o contato físico entre transmissor e receptor por via cutâneo ou secreções.
  • Indireta: Quando não há o contato direto, mas sim por meio de instrumentos ou produtos contaminados.

pincel maquiagem creme mãos

Pode se dar por vias Aéreas, Cutâneas e Ocular.

Continua…

 

Referências

Burton, Gwendolyn – Engelkirk, Paul. Microbiologia Para Ciências da Saúde. São Paulo: Ed Guanabara, 9 ed., 2012.

Salvatierra, Clabijo Mérida. Microbiologia – Aspectos Morfológicos, Bioquímicos e Metodológicos. São Paulo: Ed. Erica, 2014.

Tortora, Gerard J. Corpo Humano – Fundamentos de Anatomia e Fisiologia. São Paulo: Editora Artmed Ano, 2000.

http://www.manuaismsd.pt

https://pt.wikipedia.org/wiki/Hepatite

Manual de Biossegurança ANVISA

Imagens Internet:

http://labgarcia.com.do/wp-content/uploads/2016/04/microstop.jpg

http://www.ebah.com.br/content/ABAAAgGqMAF/aula-03-microbiota-normal-ideal

http://www.medicinanet.com.br/conteudos/biblioteca/2512/2_forma_cutanea.htm

https://www.tuasaude.com/conjuntivite-viral/

http://curapelanatureza.com.br/post/08/2016/o-segredo-japones-para-sua-pele-brilhar-jovem-mesmo-depois-dos-50-anos

www.sitedebelezaemoda.com .br/pinceis-de-maquiagem/

https://www.tendskinbrasil .com.br/o-que-e-foliculite-e-quais-os-tratamentos-para-foliculite/

http://biologiaamp.blogspot.com.ar/2009/11/parasitismo.html

https://www.flickr .com/photos/nanesanzana/8237249860

www.ejemplos.c o/15-ejemplos-de-comensalismo/

 

 

 

6 Comentários

  1. Maria Aparecida Régis da Silva disse:

    Gostei muito dessa matéria informativa sobre biossegurança.

  2. ANDREA REGINA DE FREITAS disse:

    Ola Letícia, parabéns pelo belíssimo trabalho e tenho acompanhado seu blog…..trabalho na área de estética como depiladora e iniciei já com a preocupação da biossegurança. Suas publicações são enriquecedoras. Obrigada e sucesso querida!

  3. Dalíria disse:

    Olá Professora Letícia, tenho ótimas lembranças de suas aulas, essa matéria está super completa. Está me ajudando a relembrar. Obrigada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *